O XXXII Festival Ibérico de Música

Posted on Posted in BLOG

Dezsö Ránki será um dos protagonistas do XXXII Festival Ibérico de Música de Badajoz que inaugurará no dia 22 de maio no Palácio dos Congressos de Badajoz a Orquestra de Extremadura (OEX), dirigida por Álvaro Albiach, com a zarzuela em versão concerto El barberillo de Lavapiés, com libreto de Luis Mariano de Larra (filho do famoso jornalista Mariano José de Larra) e música de Francisco Asenjo Barbieri. Participarão duas das cantoras extremenhas com maior projeção nacional, Carmen Solís e Delia Agúndez, que atuarão juntamente com o tenor asturiano Jorge Rodríguez Norton e os barítonos David Menéndez e Manuel Torrado, além do Coro de Cámara de Extremadura, sob a direção de Amaya Añúa.

Para crianças e público familiar o festival oferecerá no dia 30 de maio às 20H30 no teatro López de Ayala o espetáculo Oniria, o musical, um projeto do Conservatório Oficial de Música de Almendralejo no qual participarão cerca de 130 pessoas, entre alunos e professores, em coro, orquestra e dança.

O grupo vocal Capella Ibérica participará no dia 4 de junho comum concerto de música antiga às 21H00 na Igreja de San Agustín. Esta formação, dirigida pelo extremenho Manuel Torrado, interpretará um repertório amplo a cappella de compositores espanhóis e portugueses da época conhecida como Dinastia Filipina, na qual se uniram as coroas peninsulares de Castilha e Portugal, de 1580 a 1640. Este período histórico de uniões políticas dos Reinos Hispânicos marcou um dos momentos estelares da produção musical. A maioria dos membros desta formação pertencem ao Coro Nacional de Espanha.

Neste festival também estará presente o Ensemble NeoArs Sonora no dia 8 de junho no Salón Noble da Diputación de Badajoz às 20H30, onde interpretará um programa com obras de Piazzola, Heitor Villa-Lobo, Osvaldo Golijov e Alberto Ginastera, sob o título Músicas do novo mundo.

Este é um grupo assíduo em Badajoz e muito vinculado ao Ciclo de Música Atual que também é organizado pela Sociedade Filarmónica de Badajoz em co-produção com o Centro Nacional de Difusão Musical (CNDM). Recentemente ganhou o prémio Festclásica 2015 na modalidade de Música de Câmara, que outorga a Associação Espanhola de Festivais de Música Clássica, da qual faz parte o Festival Ibérico de Música de Badajoz.

O festival será encerrado pelo grupo Sinouj e a cantora portuguesa Alana Sinkëy com um concertode música afro mediterrânea no dia 10 de junho no pátio da Biblioteca de Extremadura às 20H30. O repertório desta formação está composto fundamentalmente de temas originais escritos por Pablo Hernández Ramos, inspirados tanto na música norte-africana, árabe e espanhola como na música africana, o jazz e o funk contemporâneo. Este concerto de músicas do mundo (World Music) faz parte dos atos programados pelo Governo de Extremadura para comemorar o Dia de Portugal na Extremadura.

O Festival Ibérico de Música organiza desde há uns anos a atividade Música en la calle/Música na rua, que levará às ruas e praças de Badajoz músicos e grupos de Extremadura e Portugal. Outra atividade paralela é o Festival Jovem, que este ano alcança a quinta edição e acolhe três concertos de grupos e solistas espanhóis e portugueses. Nesta ocasião participarão o jovem violinista português Manuel Abecasis, solista da Orquestra Sinfónica Juvenil Portuguesa; o pianista Daahoud Salim e o Ensemble de Saxofones do Conservatório Superior de Castilla y León, que estreia a obra Tarsí do compositor extremenho José Ignacio de la Peña.

O Festival Ibérico de Música procura desde os seus inícios impulsionar produções extremenhas, dedicar uma atenção especial a grupos e compositores portugueses e aproximar diferentes tipos de música ao público, além de conceder um espaço aos músicos jovens e levar a música a diferentes cenários da cidade.

O festival conta com o apoio económico da Consejería de Educación y Cultura do Governo de Extremadura, o Gabinete de Iniciativas Transfronteiriças, Diputación de Badajoz, Ayuntamiento (Câmara) de Badajoz e a Fundação Caja Badajoz.